Terapia de Luto: veja como o método pode te ajudar

Tempo de leitura: 4 minutos

Entenda o que é a terapia de luto, veja para quem ela é indicada, como funciona o processo e os benefícios trazidos!



Lidar com a perda de um ente querido é uma das maiores dores que vivenciamos ao longo das nossas vidas. E, infelizmente, nem todos conseguem lidar com esse sofrimento de maneira saudável. Nesses momentos, a terapia de luto é uma grande aliada.

Ela consiste em uma orientação específica para ajudar as pessoas com o luto patológico, ou seja, quando há um transtorno associado gerado pela perda, como ansiedade ou depressão. Quer entender melhor? Continue a leitura!

O que é e como funciona a terapia de luto?

A terapia ou aconselhamento do luto consiste em um número pré-estipulado de consultas com um psicólogo especializado na área. Nesses encontros, o profissional ajudará o enlutado a vivenciar todas as fases do luto e, assim, conseguir lidar melhor com seus sentimentos.

Quando perdemos alguém querido podemos vivenciar muitos sentimentos “estranhos” e “complexos”, como angústia, alívio, raiva, culpa, ansiedade e desesperança. Parece que a nossa vida nunca mais será a mesma sem a pessoa ao nosso lado.

A terapia ajudará o enlutado justamente a vivenciar plenamente esses sentimentos e a construir um futuro para si no qual o falecido não esteja presente, reconstruindo a sua história.

O luto é um momento extremamente importante quando perdemos alguém – e é fundamental que possamos vivenciá-lo. Caso isso não ocorra, o enlutado poderá vivenciar questões mais complexas e até desenvolver outros tipos de problemas e transtornos.

A quem a terapia de luto é indicada?

Não existe uma “receita” que funcione para todas as pessoas. Se você acredita que o luto está mais difícil de ser vivenciado do que o normal, poderá investir na terapia. Em muitos casos, contudo, quem nota o luto patológico são as pessoas próximas.

Um luto “saudável” costuma durar em torno de 6 meses – sendo que a partir desse período, o enlutado já começa a dar sinais de melhora. Se isso não ocorrer, o enlutado poderá estar desenvolvendo um luto patológico. Mas é claro que esse tempo é uma estimativa. Quanto mais próxima for a pessoa falecida, maior o tempo de recuperação.

Alguns dos sinais que indicam a necessidade da terapia do luto são:

  • dificuldades para compreender e superar a dor da perda;
  • não saber exatamente como lidar com todas as emoções trazidas pelo luto;
  • dificuldades de lidar com crianças enlutadas;
  • o enlutado está desenvolvendo outros problemas, como crises de ansiedade, depressão, síndrome do Pânico etc.;
  • você sente a necessidade de conversar com alguém e de contar com um auxílio para enfrentar esse momento difícil.

Quais os benefícios que a terapia do luto traz?

O principal benefício dessa ação terapêutica é conseguir superar o luto sem desenvolver nenhum outro problema psicológico, aceitando a perda de uma maneira mais tranquila.

Assim, com o processo, espera-se que o enlutado consiga:

  • expressar mais facilmente suas emoções e experiências em relação ao falecido;
  • dialogar sobre as circunstâncias que levaram à morte (especialmente em casos de suicídio);
  • superar problemas cotidianos e readaptar à vida cotidiana normal;
  • lembra-se do falecido com ternura e sem tanto sofrimento pela perda;
  • construir um futuro sem a pessoa e conseguir continuar com a sua vida, apesar da perda.

Quando o luto patológico é superado?

Em psicologia, não existem regras pré-determinadas sobre quando um tratamento deve ser iniciado ou finalizado. O paciente, em geral, dá sinais de que está conseguindo se recuperar da situação – e que já não precisa mais da terapia de luto.

Os indícios claros dessa melhora são:

  • o apetite e o sono voltam ao normal;
  • o enlutado consegue recobrar a expressão verbal dos sentimentos e as expressões afetivas (como abraçar os familiares ou dizer a eles sobre o que sente);
  • o paciente se envolve em comportamentos gratificantes, por exemplo, retomando sua vida social e participando de outras atividades;
  • a lembrança do falecido se integra como parte da história pessoal do enlutado sem desencadear sensações ou emoções negativas e nem tão intensas;
  • o enlutado consegue desfrutar da vida cotidiana e passa a estabelecer metas futuras.

Neste conteúdo, você aprendeu que o luto é um processo normal quando perdemos alguém próximo – e passar por ele é fundamental para que possamos lidar com a morte. Contudo, algumas pessoas podem ter mais dificuldades e acabar desenvolvendo o luto patológico.

Nesse momento, a terapia de luto é fundamental, auxiliando no processo e na reconstrução da vida dos que ficaram. Gostou deste conteúdo? Ajude seus amigos: compartilhe essas dicas nas suas redes sociais!